AVALIAÇÃO DO CLIMA ORGANIZACIONAL-WELL BEING SURVEY

Quando falamos em riscos psicossociais, estamos a falar exatamente de quê?

Os riscos psicossociais referem-se a um conjunto de situações que são vividas no local de trabalho por empregados e chefias e que constituem um risco para o seu bem-estar psicológico, social e profissional.
Referem-se tanto a situações de gestão do ‘stress’, da saúde psicológica, emocional e mental, como a situações de risco de abuso e violência nos locais de trabalho e que podem em ultima análise levar a doenças, absentismo, presentismo, diminuição de produtividade, conflitos no local de trabalho, diminuição do ‘engagement’, da motivação e de um frágil equilíbrio ‘work-life’ e de problemas na vida pessoal dos empregados, algo que em última análise acaba por afetar a concentração, a dedicação, a motivação e a produtividade dos empregados.
Uma das populações mais afetadas são as chefias médias e intermédias.
Estes riscos psicossociais estão muito ligados ao mundo de trabalho moderno, com equipas reduzidas, pressão de trabalho exacerbada, horários de trabalho longos, impacto das novas tecnologias e permanente pressão para a rentabilidade e para uma elevada produtividade.

rps-1
rps-2

Qual a importância de avaliar esses riscos?

A avaliação destes riscos é importante na medida em que permite às empresas perceberem onde se encontram as maiores fragilidades assim como as maiores potencialidades e oportunidades na sua organização e como elas afetam as diferentes equipas e/ ou sectores.
Permite diagnosticar para poderem desenvolver estratégias efetivas de respostas eficazes.
Permite evitar situações de rutura, conflito ameaçador, esgotamento, ‘burnout’, quebras de produtividade, presentismo e diminuição do ‘engagement’.
Uma boa avaliação permite identificar sectores dentro das organizações mais vulneráveis e desenvolver planos de ação específicos para estes sectores diferenciados.
Permite igualmente perceber os fatores de proteção dentro das empresas, visto levarem à identificação das áreas fortes dentro de cada equipa em cada organização.

Como se podem ajudar as empresas portuguesas, tendo em conta a realidade empresarial portuguesa?

A PULSO EUROPE PORTUGAL tem à disposição a ferramenta «S-ISW», traduzida para a língua portuguesa.
Esta ferramenta tem ampla utilização na Bélgica, em França, no Reino Unido e no Japão, tendo atualmente mais de 300.000 mil utilizações como ‘benchmark’, permitindo assim não só uma avaliação individual de cada empresa mas igualmente uma comparação com outras empresas similares e do mesmo sector de atividade, permitindo aferir forças e fraquezas de cada empresa e inter-empresas.

Hands of people pulling the rope: cooperation concept

É possível contextualizar a situação portuguesa em termos europeus?

Portugal encontra-se numa situação de profunda reorganização da sua cultura empresarial e organizacional.

Estamos a passar de uma sociedade socializada para uma sociedade dinâmica, pós-moderna e liberal. Inserida num mundo e numa cultura organizacional global. Devido a este desenvolvimento, as empresas veem-se obrigadas a restruturações permanentes, adaptando-se a um mercado interno mais pequeno e com menos vitalidade, tendo de encontrar novas estratégias sobretudo na internacionalização e na criação de mais-valias para a sua sobrevivência.

Torna as empresas mais inovadoras, mas coloca igualmente os seus colaboradores e as chefias em muito maior pressão psicológica e emocional, visto existirem muitos medos e inseguranças, que por sua vez tornam as pessoas mais vulneráveis a um nível pessoal. Isto afeta as dinâmicas privadas e familiares.

O que podem ganhar as empresas com a avaliação dos riscos psicossociais?

Os maiores ganhos são ao nível de as empresas conhecerem melhor os seus colaboradores e saberem onde se encontram as maiores fragilidades dentro das suas organizações.
Mas a avaliação permite igualmente descobrir os seus pontos fortes e os seus ‘buffers’ organizacionais.
Permite realizar um tipo de fotografia psicossocial, ou seja, é possível termos uma fotografia psicossocial das empresas.

Businessman working

Qual o enquadramento legal para a temática dos riscos psicossociais?

Observa-se que as entidades de regulação e supervisão têm cada vez mais uma perceção da pertinência jurídico-legal, visto este tipo de intervenção se encontrar regulamentada por lei – Decreto-lei 7/2009, de 12 de fevereiro, e Decreto-lei 102/209, de 10 de Setembro, assim como a Diretiva Europeia 89/391/CEE e a Convenção 155 da OIT [Organização Internacional do Trabalho].

Além dos riscos psicossociais, que outras áreas estão na linha da atividade da PULSO?

A PULSO (e anteriormente a sua congénere CAPA EMPRESAS) tem vindo a ser nos últimos 20 anos um parceiro ativo para inúmeras empresas nas áreas de consultoria, formação e apoio a saúde e bem-estar no seu interior.
Pioneira na introdução dos EAP [Employee Assistance Services] em Portugal, presta atualmente serviços de apoio a empregados e consultoria na área do capital humano.
A fusão com a PULSO EUROPE na Bélgica, empresa de referência no norte da Europa para a consultoria ligada a bem-estar em meio socio-laboral e detentora da ferramenta «S-ISW», é a nossa mais recente conquista para as empresas portuguesas e os seus colaboradores (ver ultimo item).

logo_pulso_site

Quais as características da ferramenta S-ISW

A ferramenta «S-ISW» (Short Inventory on Stress and Wellbeing), desenvolvida pela ISW Limits, de Leuven, (Bélgica), já está disponível em língua portuguesa e para a cultura portuguesa através da PULSO PORTUGAL.
«S-ISW» é uma ferramenta de ampla utilização internacional e em várias culturas empresariais e que tem vindo a mostrar ser uma poderosa ferramenta de avaliação psicossocial, do bem-estar e do ‘stress’ vivido em vários ‘settings’ e locais de trabalho. É composta por 72 perguntas, divididas em várias categorias, permitindo aferir o bem-estar vivido pelos colaboradores tanto nos seus locais de trabalho como, mais amplamente, nas suas vidas.
Para cada colaborador de uma empresa pode desta forma aferir-se o grau de bem-estar  pessoal e subjetivo, e que afeta a sua produtividade, e outros fatores de relevo para o bom rendimento pessoal e profissional.
ferramenta foi desenvolvida em colaboração com o Ministério do Trabalho da Bélgica e o Fundo Social Europeu e tem como fator importante a capacidade de detetar rápida e eficientemente os fatores psicossociais decisivos no local de trabalho e que influenciam tanto positivamente como menos positivamente os respetivos locais de trabalho. Por exemplo, ao nível das tarefas, a nível organizacional, em fatores contextuais, etc, permitindo assim interferir positivamente nas várias equipas e/ ou locais decisivos. Outra grande mais-valia é o ‘benchmark’ internacional atualmente existente (cerca de 300 mil utilizações), que permite inclusive efetuar comparações por sector de atividade. Assim, as empresas têm a possibilidade de realizar comparações inter-sectoriais que poderão ser poderosas mais-valias para as equipas de gestão.
Estamos disponíveis para mais informações e para uma demonstração gratuita da ferramenta «S-ISW»

Quer saber mais sobre este serviço ?